Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Narrativas

Fosse eu apenas seria brando, na que escreve não tenho mão.

Narrativas

Fosse eu apenas seria brando, na que escreve não tenho mão.

Outra espécie de felicidade

09.01.22, Maria

 

d9483dec18b62111edb1a846eded8c46--silhouette-photo

 

Por vezes as horas podem durar anos e os dias séculos. Deitada olhava o tecto no quarto às escuras. Ocasionalmente um conjunto de rectângulos iluminados deslizavam, alinhados lado a lado, frente e verso, como filas de peças de dominó composto para iniciar jogada. Seguiam e contornavam a esquina da parede e sumiam. O som que os acompanhava revelava mais um carro a descer ou subir a avenida.
Ela... cativa. Num quarto escuro. Só, somente, só. À semelhança de uma cela particular eclesiástica. Ou, das outras! No seu recanto escuro, divertia-se a ver as luzinhas! Ouvir o som. 
Aquela janela era uma varanda para o mundo. Podia levantar-se, abrir a persiana, que o vidro aberto revelaria o espaço infinito. Não outro pôr-de-sol, porque amanhecera nublado. Mas não ia. Sentia-se bem assim. Abandonada!
Prostrada indolentemente a olhar o tecto no quarto escuro. Sem sequer imaginar ou interessar-se para onde se dirigiam os carros. Quantos iam lá dentro e qual os seus destinos? Havia de levantar-se! Não para subir a persiana e espreitar.
Iria à sua vida, como a fileira de luzinhas deslizante. E regressaria ao seu poiso, onde procuraria entreter-se um pouco. Depois... fecharia a luz! E debaixo dos cobertores ficaria de novo, talvez, a ver os carros passarem reflectidos no tecto, na escuridão total.